Month: fevereiro 2016

II Resgate

É hora de reencontrá-lo, em uma noite que promete muita emoção!

Se você conhece alguém que esteja afastado do pai ou se você mesmo precisa reabastecer seu coração… estão abertas as inscrições para o II Resgate de jovens do EJC Cristo Rei. As inscrições são online, através do link abaixo, e devem ser feitas até o dia 12 de março. No dia do evento, os inscritos devem levar um quilo de alimento não perecível, que será destinado à próxima Ação Social promovida pelo EJC Cristo Rei.

Faça agora mesmo sua inscrição, clique no link abaixo.

II Resgate EJC – Cristo Rei

 

O Ano Santo da Misericórdia: Um convite ao amadurecimento da fé

No último 08 de Dezembro, ocorreu a abertura oficial do Ano da Misericórdia. A Data escolhida pelo Papa Francisco é de grande relevância para a nossa Igreja, pois se trata da Solenidade da Imaculada Conceição: “Esta festa litúrgica indica o modo de agir de Deus desde os primórdios da nossa história. Depois do pecado de Adão e Eva, Deus não quis deixar a humanidade sozinha e à mercê do mal. Por isso, pensou e quis Maria santa e imaculada no amor (cf. Ef 1, 4), para que Se tornasse a Mãe do Redentor do homem.” (Papa Francisco. Misericordiae Vultus). E também, celebra-se o cinquentenário da conclusão do Concílio Vaticano II.

Para anunciar o Ano Santo da Misericórdia, o Papa Francisco escreveu a Bula de Proclamação Misericordiae Vultus (O Rosto da Misericórdia). Nesta carta de fácil compreensão e ricos ensinamentos, ele nos orienta quanto à vivência prática e espiritual deste ano santo.

Mas, do que se trata o Ano Santo? E por que a escolha deste tema?

Para nos ajudar, nossa Arquidiocese tem distribuído nas igrejas, panfletos com orientações que vem responder a estas questões:

“Um Ano Santo, ou jubileu, consiste em um perdão geral, uma indulgência aberta a todos, e uma possibilidade de renovar a relação com Deus e com o próximo. Assim, o Ano Santo é sempre uma oportunidade para aprofundar a fé.

Um ano da Misericórdia é também para a que Igreja cumpra a missão dada a ela por Jesus: ser sinal e instrumento da misericórdia do Pai a todos os homens e mulheres.

É o tempo favorável para tratar as feridas.” (Arquidiocese da Paraíba)

Como vemos, o tempo é favorável. Cabe-nos agora, vivenciá-lo e deixarmos a Graça de Deus agir.

É tempo de peregrinar, de ir ao encontro dos menos favorecidos, de perdoar, de vivenciar os Sacramentos, especialmente da Penitência e da Eucaristia. Estas são práticas que o Papa, sabiamente, nos orienta através da Misericórdia Vultus, que possamos, então, abrir os nossos corações a esta experiência de fé.

“Será, portanto, um Ano Santo extraordinário para viver, na existência de cada dia, a misericórdia que o Pai, desde sempre, estende sobre nós”. (Papa Francisco. Misericordiae Vultus).

 

Por Dartiane Ferreira 

Ministério Intercessão

Jovem, lançai as redes para águas mais profundas

Aprofundar-se no mistério de Deus na nossa história pessoal é viver a experiência daqueles humildes pescadores: podemos não saber no que dará, podemos nos sentir cansados por ver tantos outros esforços infrutíferos, mas algo de maior Aquele que nos pede estimula em nós.  Não estamos sozinhos na caminhada, assim como os discípulos não seguiram sozinhos em suas barcas.  E, caminhando conosco, Jesus irá se revelando em nossa vida, capacitando-nos para que possamos também revelá-lo a outros e outras, a sermos nós, hoje, pescadores de homens.

 

1Jesus estava na margem do lago de Genesaré, e a multidão apertava-se a seu redor para ouvir a palavra de Deus. 2Jesus viu duas barcas paradas na margem do lago. Os pescadores haviam desembarcado e lavavam as redes. 3Subindo numa das barcas, que era de Simão, pediu que se afastasse um pouco da margem. Depois sentou-se e, da barca, ensinava as multidões. 4Quando acabou de falar, disse a Simão: “Avança para águas mais profundas, e lançai vossas redes para a pesca”. 5Simão respondeu: “Mestre, nós trabalhamos a noite inteira e nada pescamos. Mas, em atenção à tua palavra, vou lançar as redes”. 6Assim fizeram, e apanharam tamanha quantidade de peixes que as redes se rompiam. 7Então fizeram sinal aos companheiros da outra barca, para que viessem ajudá-los. Eles vieram, e encheram as duas barcas, a ponto de quase afundarem. 8Ao ver aquilo, Simão Pedro atirou-se aos pés de Jesus, dizendo: “Senhor, afasta-te de mim, porque sou um pecador!” 9É que o espanto se apoderara de Simão e de todos os seus companheiros, por causa da pesca que acabavam de fazer. 10Tiago e João, filhos de Zebedeu, que eram sócios de Simão, também ficaram espantados. Jesus, porém, disse a Simão: “Não tenhas medo! De hoje em diante tu serás pescador de homens”. 11Então levaram as barcas para a margem, deixaram tudo e seguiram a Jesus.

Evangelho: Lc 5,1-11